Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate.
De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.


quinta-feira, 20 de março de 2008

Porquê, não me dizem? Sim, porquê?

3 comentários:

samuel disse...

Porquê? São só 46% porque os outros 54% ainda não pensaram sobre isso. Alguns por serem snobes... os outros por serem (demasiado) respeitosos.

Rui Gamboa disse...

Séculos de porrada deixaram as suas marcas.

Rui Vasco Neto disse...

sam,
bem feitas, essas contas. é tudo uma questão de respeito, portanto?

rui,
outras contas, também certas, diga-se.
(e esse novo emprego, como vai? e a nova terrinha, agrada? conta tudo, caríssimo, que a malta gosta de saber do sucesso dos nossos. abraço.)